quinta-feira, 30 de junho de 2016

A parte boa é que já estou a trabalhar nisso: as bolachas de chocolate tem sido as minhas melhores amigas!




Eu, Mellia, sou um palito ambulante, tenho imensos complexos com o meu corpo e gostava obviamente de mudar isso. Para isso eu ia só adorar engordar uns três quilos.
Eu passo a explicar: eu tenho 1,69 e peso 48kg. Odeio de morte que estejam sempre a dizer que sou só ossos e que não tenho onde agarrar. Por isso desde há duas semanas que só como porcarias e deixei de fazer exercício físico para ver se sempre aumentava o meu peso. Os avanços neste processo foram... engordar 200g. É que nem para engordar tenho jeito é incrível!
Outro problema é que odeio andar sempre a comer porcarias, fico logo enjoada e com dores de barriga. Daí que eu gosta-se de implementar uma alimentação mais saudável mas mesmo assim ganhar algum peso. A questão é, isso é mesmo possível? Eu já andei a fazer algumas pesquisas mas estou na mesma.
Por isso a pergunta que eu coloco é: minha gente, como é que se engorda de forma saudável? Esclareçam/ajudem aqui a Melliazita!

terça-feira, 28 de junho de 2016

1 ano de "Super Woman"




Hoje dia 28 de Junho de 2016 este blogue faz 1 anoooo!
Já tive acho que cinco blogues antes deste e nenhum outro tinha atingido um ano de existência por isso este é um marco bastante importante! Neste ano partilhei vivências, experiências, emoções, sentimentos e só posso agradecer o carinho que todos vocês sempre me retribuiram!
11 082 visualizações totais, 1207 comentários, 128 mensagens publicadas e 61 seguidores depois eu não poderia estar mais orgulhosa!
Obrigada pela paciência que vocês tem comigo, por todos os conselhos e apoio que me dão, vocês são mesmo incríveis, obrigada por tudo!
A verdade é que o blogue anda um bocadinho ao abandono e aliás, as últimas publicações nem uma imagem pomposa tem, porque eu não tenho muito tempo para procurar, mas pronto fica aqui prometido que eu vou voltar a dar mais atenção ao blogue.
Que o blogue venha a contar muitos mais anos e que todos vocês continuem desse lado para festeja-los comigo!

sábado, 25 de junho de 2016

...




Ontem à tarde estive a apanhar ervas no jardim. Normalmente no Verão viro sempre jardineira. Quando vi uns trevos até me pus à procura de trevos de 4 folhas, mas cansei-me, de qualquer das maneiras acabei por arrancá-los todos, ou seja, arranquei a minha sorte pela raiz (*sou tão engraçada*).
Depois ainda fui à piscina e apanhei um enorme escaldão. De tal forma grande que acho que é maior a parte da minha pele que está queimada do que aquelea que está saudável.
Hoje eu e os meus irmãos fomos ao mecânico com o meu pai e mecânico que nos atendeu era todoooo bom (ele já andou comigo na escola e é da minha freguesia. Fiquei mesmo surpreendida porque 1° não sabia que era mecânico e 2° não o via à imenso tempo). Á hora de almoço fomos almoçar (não me digas, uau que estranho almoçar à hora de almoço...) e o empregado era completamente maluco, só me ria.
Pronto é só isto, publicações interessantes neste blogue? Ui, sempre!

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Isto de ter piscina em casa, digo-vos, é uma chatice, ui...




A minha ausência deve-se sobretudo ao facto de ter aproveitado os últimos dias para estar na piscina. Já disse que é só a melhor coisa de sempre ter piscina em casa?
Descobertas recentes: o Dilan pôs "Adoro" na foto de perfil da Chloé. Não são tão fofos? Caramba! Eu nem tenho Facebook, mas como podem ver descubro tudo. Não sei o que significa isto, se é que significa alguma coisa sequer, posso ser só eu a exagerar também, mas eu quero lá saber, que sejam muito felizes, tenham muitos filhinhos e quando morrerem que façam como D.Pedro e Inês de Castro e os tumulos deles sejam virados um para o outro.
Outra constatação recente é a de que a minha irmã é insuportável. Não sabe fazer nada, não quer fazer nada e a Mellia que se aguente a trabalhar que realmente também não tem mais nada que fazer, uuuf.
Tenho também aproveitado para ler imenso nos últimos tempos, e por isso mesmo, a rubrica "Leitura do Mês" vai voltar muito em breve...

sábado, 18 de junho de 2016

Depois venham-me com a conversa de que eu invento pedófilos...




Hoje foi uma tarde muito bonita. Todos os meninos do grupo da catequese da minha aldeia fizeram as respetivas festinhas. Os dois meninos de quem sou catequista fizeram a primeira comunhão e eu não podia estar mais orgulhosa deles que são uma fofura. 
Durante a eucaristia fiquei junto de quatro das oito crianças do 1°ano e devo dizer-vos que me deram uma enorme trabalheira, estive a maior parte do tempo a tentar que estivessem calados. Até o George que estava atrás de nós a tocar guitarra com o coro estava constantemente a dizer "xiuuu".
No final da missa fomos todos tirar uma fotografia e é assim isto começa a irritar-me mesmo, ainda por cima quando ultrapassa limites. Eu quando não gosto de uma pessoa não faço sequer um esforço por lhe demonstrar o contrário. Se não gosto, não gosto, ponto final, não há cá intimidades. Então, eu não gosto do padre e se não gosto não tem que haver intimidades. O homem, que também não tem muito boa fama (não é nenhum violador, mas também não é grande coisa a cumprir os votos de castidade, ao que parece...), depois de eu ir resmungar por não ter agradecido aos ajudantes dos catequistas pega-me pelo braço e dá-me um palmada no rabo. Ora vamos lá ver, isto no meu ponto de vista é indecente, que confianças são estás, ah? Saí dali a passo rápido porque fiquei furiosa e bastante incomodada. 
Á saída o George disse-me "xiuuu" enquanto sorria, como se me dissesse "que trabalheira a domar as feras lá dentro" e a verdade é que a presença dele acalmou-me e fez-me bem, embora eu só tenha dito "xau" ao que ele respondeu, obviamente "xau" e vim para casa.
Ultimamente ando mesmo assustada devido a este tipo de coisas...

quarta-feira, 15 de junho de 2016

Epa, o restaurante mais parece uma concentração de pedófilos!




Ontem fui almoçar fora com a minha família. Já não é a primeira vez que eu vou a este restaurante e acontece o que aconteceu ontem (contei o outro episódio aqui).
Eu estava na paz a comer o meu bitoquezinho e o homem da mesa da frente estava sempre a olhar para mim. Eu ainda estive tentada a levantar-me e espetar-lhe o garfo no olho mas eu sou uma senhora e controlei-me. Do nada a bengala do meu padrinho caiu ao chão e eu ia apanhá-la, mas o meu irmão antecipou-se e o homem riu-se. Não teve graça. Depois eu fui buscar um gelado para a sobremesa e ao sentar-me bati com a cabeça no balcão do mini-bar ao meu lado e o raio do homem voltou a rir-se. Não. Teve. Graça. É que isto só a mim, a sério.
Olhem, por exemplo, ainda agora, como eu estou sozinha em casa com o meu pai, porque a minha mãe foi trabalhar e os meus irmãos foram para a escola, o meu almoço foi uma tosta mista estorricada. O meu pai cozinha maravilhosamente, mas como foi tudo em cima da hora, o que saiu foi uma tosta mista mais queimada do que propriamente comestível.

*Eu acho que ainda vou mudar o título desta publicação para: As desgraças da vida maluca da Mellia*

segunda-feira, 13 de junho de 2016

Não sei porquê tenho sempre o hábito de contar as coisas no dia seguinte...





É que ontem houve festarola cá na terrinha e sendo o Robin o mordomo a trabalheira ainda foi maior!
Houve missa, procissão (a Melliazita teve de levar o andôr e com um bocado de sorte na foto que tiraram aos que levavam o andôr eu estou com uma cara de sofrimento como se fosse ter um bébé) e no final um lanche, porque a família da Mellia não faz por menos, está claro!
Agora advinhem só quem são as mordomas para o ano... Eu e a Alicia! Vai ser lindo, ui!

P.S. Enquanto o Robin e a Alicia vão ter de voltar a adotar o horário escolar novamente durante esta semana para terem aulas extra de matemática de forma a terminarem o programa, a Mellia vai ficar em casa... Sabem como é, vantagens de ser de Humanidades...

sexta-feira, 10 de junho de 2016

Sobre o dia de ontem...





O dia de ontem foi todo um misto de emoções. De manhã estava mal por tudo o que aconteceu no dia anterior e ainda pelo que ocorreu na própria manhã, mas um acto de loucura depois do almoço mudou tudo.
Mas já lá vou. Primeiro quero contar um episódio que me marcou sobretudo pelas palavras do meu professor de educação física. O professor levou a filha (que deve ter uns 3 ou 4 anos) para a nossa aula. Apenas eu, a Freyla e um outro rapaz é que fizemos aula. Eu e a Freyla queriamos subir a nota de badminton e o professor aceitou voltar a avaliar-nos. Enquanto nós jogavamos a menina ia apanhar a pena e vinha entregar-ma e eu agradecia. Depois ela insisitiu que queria jogar comigo. Até que o pai lhe perguntou porque só me dava a pena a mim, mas ela não disse nada. Depois perguntou-lhe se gostava de mim e ela disse que sim. Mas eu só dizia "Stor diga à sua filha para não me perseguir, eu não gosto de crianças!" (mentira, eu adoro crianças e tenho imenso jeito com crianças, mas eu tenho sempre medo de fazer asneira, magoa-las ou algo do género, porque isso já aconteceu e eu fiquei a sentir-me super mal e por isso agora mantenho a distância). No entanto o professor ignorou o meu comentário e respondeu da seguinte forma "As crianças só escolhem pessoas com bom coração. Embora tu mostres que não te importas, debaixo dessa capa de indiferença eu sei que és diferente..." eu apenas disse "Talvez até tenha razão...", porque tem mesmo. Percebi perfeitamente que o professor nem se referia propriamente à filha mas sim em geral. Eu mostro que nada me afeta, eu armo-me em durona, eu finjo ter um cubo de gelo no lugar do coração, eu nunca mostro os meus sentimentos, mas a verdade é que não é bem assim. O problema é mesmo o facto de eu já ter sofrido muito, de me apegar e ter apegado a certas pessoas e acabar sempre, sempre por me desiludir, por isso é que eu agora sou assim, muito reservada e sempre insegura...

Mudando de assunto que eu estou ansiosa por contar isto! Em primeiro lugar, a conclusão a que chego é que nada acontece por acaso e sabem porquê? Eu estava a almoçar e do nada engasguei-me com gelatina. Sim, podia ter-me engasgado com qualquer coisa, mas foi mesmo com gelatina. Realmente, sou muito normal. Este engasgamento veio mesmo a calhar porque foi a desculpa perfeita para quando vi o Dilan a deixar a cantina segui-lo inventando que ia pôr água na cara para me refrescar. Ora, bendita seja a gelatina ou então esta conversa/despedida não teria acontecido:

Eu- Vais embora a seguir?
Dilan- Não sei, mas acho que sim...
Eu- Então, quero que saibas que gosto muito de ti...
Dilan- Eu também...
Eu- Também gostas muito de ti? *rio*
Dilan- Ah? Não! Também gosto muito de ti.
Eu- *sorrio* E que vou ter muitas saudades tuas... *dou-lhe um beijo na cara*
Dilan- *dá-me um beijo na cara* Porta-te bem.
Eu- E tu tem juízo!

Ganhei o dia! A semana! O mês! Ele é tão amoroso. Isto significou o mundo para mim. Foi tão bom ouvi-lo dizer "Eu também... Também gosto muito de ti". Então o facto de ele ter dito "Porta-te bem", a forma como ele disse, transmitiu preocupação e proteção. 
Só de pensar que vou estar afastada dele três meses dá-me um coisinha má. Mas talvez seja melhor assim. Três meses inteirinhos para me dedicar a outras coisas e perceber o que é melhor para mim. 

P.S. Na publicação anterior havia um "aqui" que supostamente iria dar a uma outra publicação do blogue, mas na realidade não dava a lado nenhum porque eu me esqueci de pôr o link. Erro posteriormente detetado e atualmente corrigido.

quarta-feira, 8 de junho de 2016

Olhem, está agora a começar a jogar a seleção e o facto de o meu Miguel Veloso não jogar também contribui para o estado em que me encontro!




A primeira coisa que fiz ao chegar a casa foi fechar-me na casa de banho a chorar.

Já estendida no chão frio, só me vinha uma coisa à cabeça: Mellia, és uma grande merda!

Eu dou tudo de mim, tudo. Eu abdico de coisas minhas em função dos outros. Eu posso estar a ter o pior dia de sempre, mas se vejo alguém mal, ponho de lado os meus problemas e faço de tudo para pôr um sorriso nos lábios desse alguém. Nada disto é feito com a intenção de receber algo em troca, eu faço-o porque sou mesmo assim. Mas a verdade é que custa, custa tanto estar a sofrer e ver absolutamente ninguém importado.
Hoje de manhã ouvi estas palavras vindas de um rapaz que nos últimos tempos eu considerava como uma das melhores pessoas que entrou na minha vida "Tu nunca vais ser suficiente para um rapaz, não tens sequer onde agarrar". É esta a sociedade com que me deparo. Quer dizer, sou menos mulher/rapariga/miúda porque sou magra e não tenho onde agarrar. Está bem, é bom saber.
Já à tarde, a professora de Inglês deixou-nos sair mais cedo por ser a última aula e fomos todos ver uma final de um jogo de futebol entre colegas de outras turmas. Estava eu a sentar-me num muro quando reparo que, um pouco afastados de mim estava o Dilan a pegar na mão da Chloé e a encostá-la ao coração dele. Foi como que um murro no estômago. A Chloé é uma porca, anda a fazer-se a todos os rapazes que encontra, mas claro que é a ela que o Dilan dá atenção. Eu deixei de falar com alguns rapazes (nomeadamente o Vincent com quem me dava tão bem que até todos acham que eu estou apaixonada por ele) apenas para que o Dilan não ficasse com uma má imagem de mim, mas vai-se a ver e ele prefere as porcas.
Tudo isto fez com que passasse o dia completamente deprimida. Embora este meu estado se deve-se ao Dilan vocês acham que ele se dignou a vir ter comigo dizer qualquer coisa? Não, claro que não. O interesse dele em como eu estava ou deixava de estar foi nulo. Até o rapazolas que me massacrou a tarde inteira no outro dia (falei disso aqui) veio à minha beira e perguntou "Estás a chorar?" e eu respondi "Não" e ele então deu-me um encontrão e disse "Olá pita!". Caramba, até um miúdo irritante do 5°ano demonstrou uma pontinha de compaixão mesmo não me suportando. Fogo, um dos rapazes que eu menos gosto na turma veio perguntar-me "Tu estás triste porque não me vais ver durante as férias não é?" ao que eu respondi "Sim" e ele disse "Tenho pena de ti", depois esperou pelo meu "Também eu" e fez-me uma festinha no cabelo. Apesar do "Tenho pena de ti" dele se referir ao facto de ter pena de mim por ficar afastada dele tanto tempo a verdade é que o meu "Também eu" tinha mais a ver com o facto de eu ter pena de ser tão estúpida, de acreditar sempre na possibilidade de as pessoas até serem capazes de gostar de mim e depois acabar por me desiludir quando me apercebo que a minha presença na vida das pessoas é indiferente...

terça-feira, 7 de junho de 2016

É assim que o rapaz me deixa, completamente tontinha!




Antes de mais, domingo fiz 12km durante a manhã. Pois, pois, reparem só aqui na atleta. Eu, a Alicia, a Freyla, o Ron e o Leo (o rapaz que foi comigo no autocarro aqui) quando passava pouco das 9h da manhã já estavamos a dar à anca!

Em relação a ontem, fiquei a saber quem era o pai do Dilan. Ele foi embora depois do almoço e foi o pai quem o veio buscar e pronto eu lá fiquei a saber quem era o senhor. Nada parecidos, não são nada parecidos (fisicamente porque psicologicamente é outra coisa...). Enfim, ele disse-me "xau" e já dentro do carro/carrinha/veículo de trabalho do pai dele sorriu e acenou-me (eu? derreti-me toda só.)
Hoje durante a aula de HistóriaA estivemos a ver um filme e eu no ínico da aula estava no meu lugar de sempre e no final da aula já tinha arranjado maneira de me afastar o suficiente para fazer sinal ao Dilan para se sentar perto de mim e ficarmos os últimos 10min. os dois juntos (ooooohhhhhhh).

Dilan- Eu ainda não sei se para o ano não vou mudar de esola...
Eu- Oh, não faças isso. Eu não ia aguentar as saudade tuas.

"Eu não ia aguentar as saudades tuas"? "Eu não ia aguentar as saudades tuas"? Óh Mellia, que frase mais mal construída é essa mulher? Não ia aguentar as saudades que iria ter tuas. Ia ter imensas saudades tuas. Isto sim, faz algum sentido, agora "Eu não ia aguentar as saudades tuas"? Óh minha nossa, este rapaz deixa-me completamente desmiolada!

sexta-feira, 3 de junho de 2016

Hoje é só mesmo o seguinte...



Durante o almoço (sim, almocei com o Dilan, com a Mérida e com um outro nosso colega):

Eu- A tua prima também não gosta muito de mim.
*silêncio* 
*passado um bocado*
Dilan- Também não é preciso ela gostar...
*silêncio*
*passado um bocado*
Eu- Só é preciso outros elementos da família gostar...

quarta-feira, 1 de junho de 2016

Bora lá falar sobre o facto de haver sempre algo metido entre mim e o Dilan...




Era uma vez uma menina chamada Mellia. A Mellia apresentou o livro "O Diário de Anne Frank" à sua turma. A Mellia pediu a um colega para ler um excerto do livro, mas o colega recusou. A Chloé e o Dilan perguntaram se podiam ser eles a ler. A Chlóe ofereceu-se primeiro e por isso teve de ser a Chlóe a ler. A Mellia queria muito que tivesse sido o Dilan, porque ela, quando preparou a apresentação, esquematizou tudo e escolheu aquela passagem em específico para que fosse o Dilan a ler.
Mas que excerto era esse afinal? Era o seguinte:

"Quem me dera que ele se atrevesse a dizer mais. Mas, quem sabe, talvez essa altura chegue mais depressa do que eu penso! UMA OU DUAS VEZES POR DIA ELE LANÇA-ME UM OLHAR CÚMPLICE, eu pisco o olho em resposta, E FICAMOS OS DOIS CONTENTES. PARECE UMA LOUCURA ESTAR A DIZER QUE ELE FICA CONTENTE, E CONTUDO TENHO UMA SENSAÇÃO MUITO FORTE DE QUE ELE SENTE O MESMO QUE EU."

Pois, era uma indireta para o Dilan. Pois, a Chloé estragou tudo.

Moral da história: essa Mellia deve ter sido uma pessoa horrível numa vida passada porque realmente nem o raio da sorte ou do destino é capaz de estar do lado dela!