quarta-feira, 29 de julho de 2015

Leitura do Mês#1 - Julho


 



Livro: "Cidades de Papel"

Autor: John Green

Sinopse: "Quentin Jacobsen e Margo Roth Spiegelman são vizinhos e amigos de infância, mas há vários anos que não convivem de perto. As suas personalidades não podiam ser mais opostas, e foram justamente a irreverência e o espírito de aventura de Margo que sempre seduziram Quentin muito mais tímido e reservado. Agora que se reencontraram, nas vésperas do baile de finaliatas da escola que frequentam, as velhas cumplicidades são reavivadas, e Margot consegue convencer Quentin a segui-la num engenhoso esquema de vingança. Mas Margot, sempre misteriosa, desaparece inesperadamente, deixando a Quentim uma série de elaboradas pistas que ele terá de descodificar se quiser alguma vez voltar a vê-la. Mas quanto mais perto Quentin está de a encontrar, mais se apercebe de que desconhece quem é verdadeiramente a enigmática Margot. Um romancr entusiasmante, sobre a liberdade, o amor e o fim da adolescência.".

Opinião da Mellia: Antes de mais quero dizer que este livro, ainda que indiretamente, foi-me sugerido pela Amy, a rapariga fartava-se de falar no livro e eu decidi que seria uma boa opção de leitura. E não me desiludi! O autor, John Green, não me era desconhecido, já li "A Culpa é das Estrelas" e fiquei a amar o livro de tal maneira que o elevo ao poder dos deuses e "Cidades de Papel" manteve a fasquia da escrita de John Green bem lá em cima!
Não houve nada de que não gostasse, desde do começo do livro com um episódio marcante da infância de Margo e Quentin, depois o plano de vingança da Margo que leva Quentin a mostrar outra faceta de ele próprio, o desaparecimento de Margo e por fim a busca incansável de Quentin, que acaba por arrastar Ben, Radar e posteriormente Lacey para a maior aventura da vida deles!
Se eu tivesse de apelidar John Green com alguma alcunha seria, o Rei das Metáforas, e sem dúvida que "Cidades de Papel" é a prova de que este título é adequado. É que todas as metáforas que são utilizadas, são tão corretas, transmitem tão bem todos os sentimentos, que encaixa tudo na perfeição! De certa forma, as metáforas que utiliza são ensinamentos de como lidar com os outros sem os julgar erradamente.
O livro na sua totalidade é muito bom, mas a forma como o livro termina foi o que mais me agradou! O facto de John Green ser um autor muito realista é outro aspeto que me faz admira-lo imenso, e por isso mesmo, gosto que eles fiquem juntos, seguindo cada um o caminho que acha melhor para si próprio. Nada de contos de fadas, mas sim um final realistas e muito ternurento.
Não pode existir uma crítica mais positiva, do que dizer que este foi um dos melhores livros que li!


Nota: Espero que o Quentin pague á Lacey!

4 comentários:

  1. yaaaaayyyyyyy :D ainda bem que gostaste! e o john green também é suuuuper engraçado!

    r: obrigadaaa :D

    ResponderEliminar
  2. Já li e gostei imenso <3 Porque mudaste de blogue?
    http://saturnsmermaid.blogspot.pt/

    ResponderEliminar